Manaus – Representantes do governo da Suécia, empresas, instituições de ensino superior e Governo do Estado do Amazonas abriram na sede da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), as Semanas de Inovação Suécia-Brasil para debater e viabilizar parcerias estratégicas em busca de inovação, empreendedorismo e desenvolvimento sustentável.

Para a vice-presidente da FIEAM, Cristina Calderaro Corrêa, o ambiente de colaboração entre os dois países é extremamente salutar e necessário. “Há exemplo da aviação militar, com o intercâmbio na alta tecnologia que certamente abrirá oportunidades também para a Suécia na economia brasileira, hoje tão presente em diversos segmentos. Nesse aspecto, destacamos a necessidade de ampliarmos a presença do capital sueco na nossa região, especialmente em investimentos de longo prazo em áreas que envolvem inovação para o desenvolvimento de soluções que reduzam os impactos ambientais”, relatou.

O encontro contou com a participação do vice-ministro da Inovação, Emil Högberg, e da embaixadora da Suécia no Brasil, Johanna Skoog. Ambos reafirmaram o modelo de Hélice Tríplice como uma forma de acelerar a criação de novos produtos e obter o sucesso no mercado baseado em resultados de pesquisa e sustentabilidade.

“Acreditamos muito no modelo de Hélice Tríplice, que une a universidade-empresa-governo. Sabemos que é um processo contínuo de aceleração da inovação que tem sido importante para focar na pesquisa e nas áreas promissoras, minimizando as desconexões entre os atores que precisem uns dos outros”, disse Emile Högberg.

A Suécia está entre os países mais inovadores do mundo e também entre os menos corruptos, destacou Högberg. Ele citou, como um dos fatores que contribuem para essa realidade, a economia aberta na Suécia, que permite processo de criação sem a intervenção governamental. “Em março, o Brasil e a Suécia assinaram um novo protocolo que altera o acordo para evitar a dupla tributação entre os países, refletindo nos esforços para modernizar a rede de acordos tributários. A nossa comunidade de negócios está muito feliz e esperançosa para que isso leve a intensificação da troca econômica entre os dois países”, contou Högberg.

A embaixadora da Suécia no Brasil, Johanna Skoog, afirmou que a Suécia tem interesse em estabelecer intercâmbio e apoiar projetos de inovação no Amazonas, em parceria com o governo e as instituições privadas. “Esta é minha primeira viagem no Brasil, assumi o cargo há menos de duas semanas, então é muito significativo o destino ser a Amazônia, tendo em vista, toda a atenção global em cima da preservação e sustentabilidade”, explicou ela.